9 Visualizações

Em 14 de agosto de 21 de agosto, um poderoso terremoto20 colocou o país caribenho de joelhos, de agosto de milhares de mortos, feridos e deslocados. A denúncia do padre Verna Cineus, religioso camiliano: “Ninguém está nos ajudando. Aqui está faltando tudo: os idosos e as crianças são os mais atingidos”. A violência das gangues armadas que assolam as cidades torna a situação mais dramática.

Federico Piana – Notícias do Vaticano

“Nada mudou, aqui continuamos a sofrer como sofremos há um ano”. A padrena Cineus é terrível, lembra os momentos trágicos daquele dia 14 de agosto de 2022, dois milhares de pessoas, destruiu inúmeras casas, quando milhares de pessoas, destruiu muitas vezes, destruiu muitas casas, quando milhares à sua terra natal.

População abandonada

O sacerdote religioso, religioso, dedica sua vida aos pobres da capital Porto Príncipe, denunciando que a população não recebeu ajuda desde então: “as autoridades locais e a comunidade internacional não foram nenhuma resposta ao nosso povo que continua a morrer tudo: comida, água, gasolina para fazer funcionar escolas e hospitais.

Sem segurança

As associações voluntárias da Igreja e as ONGs que podem ajudar a lidar com uma situação de vida social que gera extrema violência. “Gangues armadas, que muitas vezes lutam entre si”, explica o clérigo, “controlam uma grande parte do país e torna-se difícil mover-se de uma área para outra para levar comida ou ir à procura dela”. É um país completamente destruído”.

Estradas Destruídas no Haiti




Estradas Destruídas no Haiti

A dor da Conferência Episcopal

A Conferência Episcopal local interveio energicamente contra como ganga cada vez mais a população no desespero, uma população que se tornará um debate com a pobreza crônica e que lançará a possibilidade de lançar. Estamos espantados e indignados”, escrevam os bispos haitianos em uma longa mensagem, “com a impotência do Estado”. O padre Cineus quiseram denunciar os bispos que denunciaram “o recrudescimento da violência, que ficou impune, que há quinze dias também produziu “Porto Príncipe”. Aqui as armas de ganga chegaram ao ponto de atacar e até mesmo a catedral. Estamos dispostos a tentar”.

Fonte