24 Visualizações

O Magnificat, disse ele, é o “cântico da esperança”. Ele refletiu sobre a descrição do Senhor que “derrubou os poderosos de seus tronos e exaltou os humildes”.

“Ao ouvir essas palavras, podemos nos perguntar: a Virgem não está exagerando um pouco, talvez, descrevendo um mundo que não existe? De fato, o que ela diz não parece corresponder à realidade; enquanto ela fala, os poderosos da época não foram derrubados: o temível Herodes, por exemplo, ainda está firme em seu trono. E os pobres e famintos continuam assim, enquanto os ricos continuam a prosperar.”

Mas o significado do cântico da Santíssima Virgem não é uma descrição histórica, mas uma profecia, disse o papa.

Na parábola do rico e Lázaro, Dives acaba “de mãos vazias” após sua morte, refletiu.

“Nossa Senhora… anuncia uma mudança radical, uma reviravolta de valores. Enquanto fala com Isabel, levando Jesus no seio, antecipa o que dirá o seu Filho, quando proclamar bem-aventurados os pobres e humildes, e advertir os ricos e os que se baseiam na sua autossuficiência”.

“A Virgem, então, profetiza com este cântico, com esta oração: ela profetiza que não prevalecerá o poder, o sucesso e o dinheiro, mas sim o serviço, a humildade e o amor. E ao olharmos para ela, na glória, compreendemos que o verdadeiro poder é o serviço – não nos esqueçamos disto: o verdadeiro poder é o serviço – e reinar significa amar. E que este é o caminho para o céu.”



Fonte