4 Visualizações

“O receitas educar como ensinar meninas perderá US$ 5 bilhões em uma país completar ou não conseguir”,

Notícias do Vaticano

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciou nesta feira (15/08), coincidindo com o primeiro aniversário da chegada ao poder dos Talibãs, que o fechamento das escolas secundárias femininas no Afeganistão poderia um custo econômico pesado de até 5,4 bilhões de dólares.

“O receitas educar como ensinar meninas perderá US$ 5 bilhões em uma país completar ou não conseguir”,

O Fundo estima os ganhos que são três milhões de jovens afegãs, que ainda não completaram seus estudos secundários, trariam para a economia afegã em dificuldade se elas participam do mercado de trabalho.

Os Talibãs haviam prometido, após tomar o poder há um ano, reabrir escolas para os jovens de 12 a 18 anos no Afeganistão, assim que o conteúdo fosse “adaptado” à lei islâmica ou à Sharia.

Mas no dia 23 de março, quando as fegãs estavam prestes a ser retomadas, os fundamentalistas inverteram sua decisão e mantiveram o fechamento.

Mulheres afegãs




Mulheres afegãs

“A decisão (…) foi alarmante e profundamente decepcionante. Precoce e forçado”, disse o representante do UNICEF no Afeganistão, Mohamed Ayoya.

A agência denunciou que este ano o fechamento de escolas femininas “não é insignificante”, e revelou que o país perderia “apenas” 500 milhões de dólares ou o equivalente a 2,5% de seu PIB em 2020 se elas reabrissem hoje.

A Unicef ​​lembrou que antes da chegada dos Talibãs ao poder, o Afeganistão tinha 4,2 milhões de fora da escola, 60% das quais meninas.

“Os direitos das meninas estão sob ataque, sua infância é marcada pela privação”, disse Ayoya.

O fechamento das escolas femininas é apenas uma das várias mulheres impostas pelos direitos fundamentais que chegaram ao poder, incluindo a limitação da burca aos acessos aos empregos.

Enquanto os direitos são defendidos pela comunidade internacional e das organizações intergovernamentais, o que são considerados para repetir que são apresentados como “infundados”.

Fonte